Conhecendo a insuficiência cardíaca

A insuficiência cardíaca (IC) acontece quando o coração está fraco e não consegue bombear o sangue com normalidade. Isso resulta no acúmulo de sangue em outros órgãos do corpo, dependendo de qual lado do coração o sangue não foi bombeado. Se o sangue acumula-se do lado direito do coração (onde acontece o retorno do sangue para o restante do corpo) são os membros inferiores - pernas e tornozelos - que sofrem com o inchaço e o desconforto. Agora, se o sangue acumula-se do lado esquerdo do órgão, são os pulmões que ficam debilitados, ocasionando falta de ar e tosse.

Há ainda outros sintomas que podem derivar da insuficiência cardíaca, como pulsação rápida, palpitação cardíaca, fraqueza e fadiga. O ganho de peso repentino e náuseas também podem caracterizar a doença.

A doença  possui duas formas de manifestação: Insuficiência Cardíaca Aguda (ICA) e Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC). No primeiro caso, a insuficiência pode ser consequência do infarto do miocárdio ou uma arritmia severa. Já a Insuficiência Cardíaca Congestiva pode aparecer de modo agudo, mas, geralmente, se desenvolve gradualmente, às vezes durante anos.

Grupos de risco

Qualquer pessoa em diferentes fases da vida pode desenvolver a doença, mas esse risco tende a aumentar em pessoas obesas, diabéticas, fumantes ou consumidoras de álcool e drogas.

A insuficiência cardíaca pode ser considerada hoje um problema de saúde pública: tem alta prevalência, o tratamento é de alto custo e possui elevada taxa de mortalidade. Porém, algumas precauções podem ser tomadas no dia a dia para diminuir as chances de contrair a doença. A principal delas é a melhora na qualidade de vida. Quando damos a devida atenção a alimentação + atividade física + controle da pressão arterial, a insuficiência cardíaca deixa de ser um problema.
 

Diagnosticando a Insuficiência Cardíaca

Quando percebemos alguns dos sintomas mencionamos acima, o médico deverá ser procurado. Normalmente, faz-se um exame clínico de ausculta cardíaca e pulmonar. Sabe o que é isso? É quando o médico pede para você respirar fundo, soltando o ar pela boca, enquanto ele alterna o estetoscópio em três lugares diferentes do corpo. Assim, o profissional escuta o coração para saber se o órgão está batendo com chiado ou sopro. Outro maneira de diagnosticar é através das pernas. Se as mesmas aparecem inchadas e com edemas, as chances de ser insuficiência cardíaca são grandes. Isso, claro, se você tiver algum dos outro sintomas como falta de ar, fraqueza e fadiga.

Vamos tratar?  

A insuficiência cardíaca é, na maioria das vezes, progressiva. Ou seja, os sintomas vão aumentando com o passar do tempo. A principal forma de tratamento é com medicamentos. Porém, outras intervenções também podem ser feitas: mudança nos hábitos de vida, terapia de ressincronização cardíaca ou em último caso o transplante de coração. Controlar a alimentação, reduzindo o consumo de sal, também é muito importante. Além, é claro, de parar de fumar e diminuir a ingestão de bebidas alcoólicas.