O que é cirurgia da válvula cardíaca?

Imagem: @armymedicine

Imagem: @armymedicine

Cerca de 250 mil pessoas passam pela cirurgia de substituição da válvula cardíaca por ano no mundo todo. Também chamada de cirurgia valvar, a operação substitui a valva do coração por uma válvula, que pode ser mecânica ou biológica. 

Trazemos aqui algumas informações para você saber antes de fazer a cirurgia, se esse for o seu caso ou de alguém da sua família. Mas não se esqueça: cada paciente tem especificidades.

Encontre um médico no qual você confia e siga as orientações dele. 

Quando for se consultar, anote o que você precisa fazer antes da cirurgia e cumpra as recomendações. Isso é muito importante para o sucesso da sua operação. Tire todas as suas dúvidas com o médico e se possível com o anestesista e o enfermeiro. 

Vamos lá:

O que é valva cardíaca?

Fonte: Wikipedia

Fonte: Wikipedia

O nosso coração funciona com a ajuda de quatro valvas: mitral, tricúspide, aórtica e pulmonar. Cada uma delas cumpre uma função diferente para que o coração bombeie o sangue nas direções corretas. Por uma série de motivos, uma dessas valvas pode se fechar demais, impedindo o sangue de entrar, ou abrir demais, permitindo um fluxo que o coração não suporta. 

Como é a cirurgia de substituição?

Algumas vezes, especialmente quando o defeito é na valva mitral, é possível fazer o reparo usando catéteres, envolvendo-a com um anel de plástico ou tecido. Em outras situações, o mal funcionamento da valva requer que ela seja substituída por uma válvula (versão artificial da valva). Quando isso acontece, é preciso fazer a substituição. 

Existem dois tipos de válvulas: mecânicas e biológicas. Quando as válvulas mecânicas são utilizadas, você terá que tomar remédios que fazem o sangue ficar mais ralo, mas elas normalmente duram o resto da vida (são feitas de aço inoxidável ou titânio). Já as biológicas têm um tempo determinado de vida, mas você não vai depender de medicamentos.

Na cirurgia de substituição, você vai receber anestesia geral e será conectado a uma máquina coração-pulmão enquanto estiver na mesa de operações, que faz o trabalho desses órgãos durante a cirurgia.

A cirurgia pode ser rápida, demorando menos de uma hora. Em outros casos, pode durar até 2 horas. Isso depende da complexidade do procedimento. O importante é que o médico realize a cirurgia com precisão.

Depois da cirurgia, é necessário ficar na UTI para observação por um tempo determinado pelo médico. Esse é um procedimento que tem por objetivo apenas garantir o controle sobre uma eventual complicação. Depois de algum tempo, já é possível receber visitas de amigos e familiares. 

Quais são os riscos?

A taxa de sucesso da cirurgia de válvulas cardíacas é alto e o tempo de recuperação varia em cada paciente. O desconforto no peito, falta de ar e dores vão passar e o melhor: sua expectativa de vida aumentará. As válvulas mecânicas podem emitir um som de “clique” algumas vezes. Fique tranquilo, isso é normal. As válvulas substitutivas não costumam falhar. Entretanto, complicações como coágulos sanguíneos podem acontecer, além de infecções.

Para fazer outras cirurgias, até mesmo dentárias, você pode ter que tomar cuidados especiais. Escolher bons profissionais também reduz riscos. Os principais riscos são: arritmia (ou batimento irregular do coração); ataque cardíaco; falência dos rins; síndrome pós-pericardiotomia (processo inflamatório que surge após abertura cirúrgica do pericárdio); derrame ou outras lesões cerebrais; confusão temporária depois da cirurgia e morte. 

Cuide-se sempre para prevenir os riscos. Tome os remédios receitados pelo médico regularmente e não deixe de avisá-lo sobre sintomas que aparecerem depois do procedimento.